Após brigar com a mãe: TESTEMUNHA DE JEOVÁ SUICIDA-SE  

0
1407

Uma publicadora das Testemunhas de Jeová, de 16 anos de idade, colocou termo à própria vida, por suicídio, depois de uma briga com a mãe. O caso ocorreu no passado dia 25 de Julho, sexta-feira, no distrito urbano do Camama, município do Talatona, em Luanda.

Por: Jaime Tabo

Segundo apurou o ‘O Crime’, Afra Manuel Pedro, 16, vinha tendo depressões desde que o pai decidiu abandonar a família em 2017, rompendo com um casamento que durava há 24 anos. A partir de então, a adolescente nunca mais foi a mesma pessoa.

De acordo com o tio da jovem publicadora, Jorge Faria, com quem a nossa reportagem chegou a falar, eram constantes as brigas entre ela e a mãe. Infelizmente, na passada sexta-feira, 25/07, depois de mais uma dessas discussões, Afra decidiu pôr termo à sua vida. “Enforcou-se com um lençol no quarto da avó”, contou o tio.

Para Jorge Faria, tudo indica que questões de foro emocional, como é o caso da depressão, associada às constantes brigas entre mãe e filhos terão estado na base da decisão da adolescente.

Depois que o pai se foi embora, disse o tio, as discussões entre os membros da família eclodiram, dando lugar a uma instabilidade muito grande, mais a mais porque os rendimentos da mãe nunca foram suficientes para acudir as mais básicas necessidades dos filhos. “Às vezes discute-se por coisas insignificantes”, contou, acrescentando que vezes há que brigam por causa de sabonete.

Por outro lado, garantiu que algumas vezes ele, tio, dava algum apoio psicológico à malograda, que não raras vezes se sentia excluída do seio familiar.

Entretanto, sublinhou, este trágico acontecimento é o culminar de uma série de complicações familiares que já dura há cerca de 3 anos, durante os quais, Afra Manuel Pedro, publicadora das Testemunhas de Jeová, de 16 anos de idade, escreveu várias cartas em que desabafa o que vinha enfrentando ao longo desses anos.

Irmã mais velha também tentou suicidar-se

De acordo com Jorge Faria, o tio, não é a primeira vez que este episódio ocorre no seio familiar, porém, é o primeiro que termina em tragédia. Em 2018, revela, a irmã mais velha que Afra Manuel Pedro, também tentou suicidar-se, mas foi prontamente dissuadida por familiares e amigos.

Amigos e vizinhos consternados

Entretanto, os amigos, vizinhos e colegas da adolescente lamentam a sua morte. Dizem-se surpreendidos com a notícia do passamento físico de Afra Manuel, ao mesmo tempo que exaltaram as qualidades da malograda.

Os problemas porque passava foram também salientados, mas ainda assim, mostraram-se bastante surpreendidos com o facto.

Albertina de Almeida, vizinha e uma das que encontrou a adolescente pendurada, já sem vida, contou que estava a par do que vinha acontecendo naquela família nos últimos três anos, porém, confessa que nunca pensou que fosse ter um fim trágico como o que sucedeu.

“Era uma menina aberta e bastante alegre, visitava os vizinhos e acompanhava sempre a avó às reuniões das Testemunhas de Jeová”, revelou Albertina.

Psicóloga alerta

Por seu turno, a psicóloga clínica, Domingas Gabriela, explicou que o número de casos de suicídios têm estado a aumentar exponencialmente no nosso País, e de modo particular na capital Luanda, o que tem chamado a atenção da classe para uma maior reflexão em torno deste problema.

Domingas Gabriela disse que a adolescência é um período em que se vivenciam vários conflitos: psicológicos, familiar e social. Nessa altura, explicou, o adolescente quando não devidamente acompanhado tende a desrespeitar algumas normas familiares e sociais o que o faz chocar com adultos.

A psicóloga acrescentou que o acto suicida não consiste propriamente em pretender morrer, mas fugir ou acabar com os problemas.

SIC regista cinco casos de suicídio no mesmo bairro

Uma fonte ligada ao Serviço de Investigação Criminal (SIC), no distrito urbano do Camama confidenciou que só no mês de Julho último, foram registados cinco casos de suicídio. Todos eles, revelou a fonte, têm idades compreendidas entre os 12 aos 17 anos de idade.

Comentários do Facebook

Leave a reply