Caxito/Bengo: ADOLESCENTE MORRE APEDREJADO

0
1118

Um adolescente de 17 anos, no município de Caxito, província do Bengo, perdeu a vida por uma pedra à cabeça, enquanto transitava numa zona em que ocorria um desentendimento provocado por um motoqueiro que atropelara uma menor. 

 Nzinga Manuel

O caos instalou-se quando uma mototaxista, à saída de uma partida de futebol, no bairro Mifuma, município de Caxito, atropelou uma menor. 

Em reacção, os populares, entre familiares da vítima, vizinhos e alguns curiosos exigiam o mototaxista para que se responsabilizasse pelo acto, transportando a menor a uma unidade médica e custear todas as despesas que viesse a ser exigida. No entanto, disseram testemunhas, o jovem se negava a prestar ajuda, o que originou uma acesa confusão, com agressões à mistura.

Ademais, a intenção dos revoltados era o de levar o jovem a uma unidade policial local, mas não houve êxito, pois, pelo caminho, foram intersectados pelos amigos do mototaxista, gerando outra briga.

Ademais, a intenção dos revoltados era o de levar o jovem a uma unidade policial local, mas não houve êxito, pois, pelo caminho, foram intersectados pelos amigos do mototaxista, gerando outra briga.

Ao que o Jornal O Crime aparou, Adriano Ernesto Pompílio, o malogrado, de 17 anos, também tratado por “Adi”, saía do mercado em direcção à sua casa, quando se deparou com a confusão. Ao aproximar-se do local da briga, sem parar, foi-lhe arremessado várias pedras que atingiram a cabeça, uma região sensível do corpo, tendo aquele caído inanimado. 

Cecília António, tia do malogrado, afirmou que os mototaxistas arremessaram sucessivas pedras ao seu sobrinho, como se aquele tivesse algum envolvimento na confusão.

“O meu sobrinho estava apenas de passagem, vindo do mercado”, afirmou Cecília, para depois dizer que após a agressão, os suspeitos colocaram-se em fuga.

A população ainda tentou transportar o rapaz, já moribundo, para uma unidade hospitalar, acabou por falecer ao longo do caminho, não resistindo à gravidade dos ferimentos.

Cecília avançou a este Jornal que o sobrinho era uma pessoa de bem, e que estava na cidade a estudar. Por outro lado, confirmou que o caso já está sob investigação, ao mesmo tempo que implora que se faça justiça. 

Já o porta-voz da Polícia Nacional na província do Bengo, Intendente Gaspar Luís, disse à Rádio Eclésia que os efectivos da corporação e do Serviço de Investigação Criminal (SIC) estão já a efectuar diligências no sentido de se localizar e deter os supostos responsáveis deste Crime.

Comentários do Facebook

Leave a reply