Quem é a jornalista morta em operação do Exército israelense em campo de refugiados palestinos

0
471

A repórter palestino-americana Shireen Abu Aqla foi morta a tiros durante um ataque israelense na Cisjordânia ocupada enquanto trabalhava para a emissora Al Jazeera. 

OMinistério da Saúde palestino disse que Abu Aqla foi morta após sofrer ferimentos graves na cabeça enquanto cobria uma operação em um campo de refugiados na cidade de Jenin na manhã desta quarta-feira (11/05).

A Al Jazeera, emissora com sede no Catar, disse em comunicado que sua correspondente foi morta “deliberadamente” e “a sangue frio” pelas forças israelenses. 

A rede também citou testemunhas oculares dizendo que um “atirador atacou Sherine com uma bala na cabeça, mesmo que ela estivesse usando um colete e capacete que claramente carregavam a palavra ‘imprensa'”.

O primeiro-ministro de Israel disse que é “provável” que eles tenham sido baleados por atiradores palestinos durante uma troca de tiros.

Quem foi Shireen Abu Aqla?

Shireen Abu Aqla nasceu em Jerusalém em janeiro de 1971. Ela se formou em uma escola católica no bairro Beit Hanina, em Jerusalém.

Shireen inicialmente estudou arquitetura na Universidade de Ciência e Tecnologia da Jordânia. Ela então obteve um bacharelado em mídia e jornalismo pela Universidade Yarmouk, também na Jordânia, e se especializou em mídia escrita.

Após sua formatura, Shireen trabalhou em vários veículos da imprensa dos territórios palestinos, incluindo a rede de rádio Voz da Palestina e a TV Amã. Ela ingressou na Al Jazeera em 1997 — um ano após seu lançamento — e se tornou uma das primeiras correspondentes de campo do canal.

Abu Aqla ganhou destaque nos últimos 25 anos, cobrindo muitos eventos do conflito palestino-israelense. Estes incluíram a revolta palestina Intifada em 2000 e o ataque israelense ao campo de refugiados de Jenin e à cidade de Tol Karam em 2002. Ela também cobriu as operações israelenses e os ataques aéreos na Faixa de Gaza nos últimos anos.

Shireen também foi a primeira repórter árabe a ter acesso à prisão de Ashkelon, perto de Gaza, em 2005. Lá, ela conheceu prisioneiros palestinos que receberam longas sentenças de prisão por tribunais israelenses.

Abu Aqla disse que a visita à prisão a marcou profundamente, pois pôde testemunhar em primeira mão as condições em que os palestinos viviam nas prisões israelenses.

Em uma entrevista anterior que ela havia gravado com a Al Jazeera, Abu Aqla disse que as forças israelenses a acusavam regularmente de reportar de zonas militares. Ela acrescentou que sempre se sentiu alvo e em constante luta com as forças israelenses e os colonos armados.

Em um vídeo promocional que a Al Jazeera transmitiu em outubro de 2021, marcando 25 anos desde a criação do canal, Abu Aqla disse: “Escolhi o jornalismo para estar perto das pessoas. Pode não ser fácil para mim mudar a realidade, mas pelo menos consegui trazer suas vozes ao mundo… sou Shireen Abu Aqla”.

Comentários do Facebook

Leave a reply