Caso agressão à esposa do jornalista: C PJ EXIGE AS AUTORIDADES ANGOLANAS “INVESTIGUEM EXAUSTIVAMENTE

0
233

Nova Iorque, 5 de outubro de 2022 – As autoridades angolanas devem investigar rapidamente e trazer à justiça os responsáveis pelo ataque a Ludmila Pinto, esposa do jornalista Claudio Pinto, numa aparente advertência ao jornalista, disse terça-feira o Comité para Proteção de jornalistas (CPJ).

Por volta das 18 horas do dia 20 de setembro, dois homens não identificados cujos rostos foram ocultados por máscaras cirúrgicas invadiram a casa de Pinto em Luanda, a capital, de acordo com uma declaração da Rádio Despertar, reportagens dos meios de comunicação, e o jornalista e a sua esposa, que falaram com o CPJ através de um aplicativo de mensagens. Claudio Pinto, que apresenta o programa de atualidades “In” na Rádio Despertar, que é de propriedade do partido de oposição União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), não se encontrava em casa na altura.

Os homens amarraram os braços e pernas de Ludmila Pinto com cordas de varal e bateram-lhe repetidamente, esmurraram o seu estômago e deram-lhe pontapés por todo o corpo ao mesmo tempo em que ameaçavam matar o seu filho de um ano de idade que chorava, disse o jornalista ao CPJ. Um dos atacantes foi à cozinha, aqueceu uma faca de cozinha, e cortou Ludmila Pinto pelo menos 16 vezes nos seus braços e 12 vezes nas suas pernas, disse ela ao CPJ. Os homens disseram que “voltariam para terminar o trabalho se o seu marido não se calasse”, afirmou ela.

“As autoridades devem investigar exaustivamente o ataque brutal à mulher e ao filho do jornalista da Rádio Despertar Claudio Pinto e garantir que os autores dos crimes sejam rapidamente detidos e processados com sucesso”, disse a Coordenadora do Programa para a África do CPJ, Angela Quintal. “Não o fazer enviará uma mensagem de que é mais do mesmo no segundo mandato do Presidente João Lourenço como presidente de Angola, onde aos jornalistas continua a ser negado o seu direito de trabalhar sem medo e a autocensura é endémica”. O partido governante Movimento Popular para a Libertação de Angola (MPLA) ganhou as disputadas eleições de 24 de agosto com uma pequena maioria, atribuindo a Lourenço um segundo mandato como presidente no meio de alegações de fraude eleitoral da oposição que levaram a grandes protestos.

Pinto, que trabalha com o nome King, disse ao CPJ que os homens estiveram na casa durante cerca de 20 minutos, e deixaram uma nota rabiscada em português dizendo “Aviso King”.

Pinto disse ao CPJ que acredita que o ataque foi motivado pela cobertura das eleições pelo seu programa, especificamente a sua reportagem de que o partido no poder tinha perdido a votação em Luanda. Pinto acrescentou que o ataque poderia também ter sido em resposta a uma entrevista no seu programa com um dos comentadores eleitorais da estação de rádio que criticava os serviços secretos por alegadamente perseguirem ativistas, políticos e jornalistas. “Estes eram profissionais que entraram na minha casa e saíram sem deixar rasto”, disse Pinto.

Ludmila Pinto mencionou ao CPJ que ouviu os dois homens dizerem que o seu marido era “próximo do chefe”, “sabe muito”, e que talvez precisem “terminar o trabalho se ele não se calar”. O seu marido disse ao CPJ que acreditava que o “chefe” era provavelmente uma referência ao líder da UNITA, Adalberto Costa Júnior.

O casal deu queixa na esquadra local da polícia do Kilamba, e Ludmila Pinto recebeu tratamento pelos seus ferimentos na clínica da Sagrada Esperança e estava também a receber apoio pós-trauma, disse o jornalista. Ele disse que a polícia foi a sua casa no dia seguinte para recolher provas.

O Comandante José “Caly” do Carmo da esquadra de polícia de Kilamba, em Luanda, disse ao CPJ, por telefone, que a investigação sobre o ataque estava a progredir e que não tinha informações adicionais a partilhar.

Share this:

Leave a reply