FAMÍLIA DE SETE MEMBROS SOBREVIVE COM 1500 KWANZAS

0
499

A família José, gerida por Raul José, de 38 anos de idade, está, dentre as várias, no rol de famílias que vivem em extrema vulnerabilidade. Em casa de renda de apenas um quarto e sala com seis filhos, vivem com 1500 kwanzas diariamente para suprir todas as necessidades . 

 Isabel Frederico

É visível a calamidade económica de Angola, país que para muitos dirigentes a riqueza de Angola é um facto. Dizer segundo, poderíamos estar a pôr em causa este facto, tem muitas riquezas. Todavia, em grande contraste vive a família de Raul José, ex-vigilante de uma empresa de segurança, auferindo um salário de AOA 25.000,00 (vinte e cinco mil kwanzas), viúvo e agora desempregado. “Fui demitido pelo número elevado de faltas, quando cuidava da minha esposa que estava doente, mas depois de alguns meses acabou por falecer”, exprimiu com lágrimas nos olhos.

Actualmente, Raul José trabalha como estivador, no mercado do Catinton, onde ganha diariamente 2500 Kwanzas, “isto quando a mercadoria termina, caso não, somos pagos depois de dois dias. Quando dá, faço alguns biscates, para que o lume do fogão não se apague”, disse.

Tendo que pagar a renda de casa, no valor de três mil kwanzas mensal, Raul exprime que não consegue cobrir todas as despesas (escola, água, energia, vestuário). “Mal consigo comprar nem um saco de arroz com o dinheiro que ganho”, declara o chefe da família.

Depois da morte da esposa, em 2017, Raul conta que tudo ficou mais difícil de gerir. “Várias vezes ficamos sem comer, as crianças choram, mas eu não tenho como fazer alguma coisa…”, exprime, com a voz trémula, lembrando que cuida de seis crianças, todas fora da escola, com excepção de apenas uma, de 12 anos, que estuda a 4ª classe, cuja mensalidade é de AOA 2.500,00 (dois mil e quinhentos mil kwanzas). 

“Por vezes, nem chinelo consigo comprar para eles, quanto mais pagar propina de seis pessoas?… Só Deus é quem está a nos guardar”, lamenta, lançando o repto de que precisa de um emprego fixo, para conseguir dar aos filhos o que necessitam.

Comentários do Facebook

Leave a reply