ZANGO 3: JOVEM É APEDREJADO ATÉ À MORTE APÓS SER CONFUNDIDO COM MARGINAL

0
599

Lourenço Hafeni, também conhecido por Vanilson, de 18 anos de idade, foi morto à pedrada no dia 09 de Julho, por um grupo de moto-taxistas, espantosamente por ter sido confundido com um ladrão.

 Maiomona José

Ofacto ocorreu na zona denominada Kapapinha, nas imediações da primeira paragem de táxi do zango 3, no município de Viana, quando Lourenço Hafeni, a vítima, foi pego em posse de uma motorizada roubada, que, por sinal, pertença do líder do acto de linchamento.

Segundo declarações da família, Lourenço Hafeni recebeu a motorizada nas mãos de seu amigo também identificado por Lourenço, um dia antes do sucedido, para prestar serviços de moto-táxi. Sem suspeitar que a motorizada era roubada, na inocência, Vanilson, como era carinhosamente tratado pelos mais próximo, pretendia fazer do mesmo meio o seu ganha pão, porém, por pouco tempo.

Como conta a irmã mais velha, Edvânia Arsénio, de 22 anos, por volta das 7 horas de sábado, 9 de Julho, o malogrado preparava-se para então começar a sua jornada laboral, quando foi surpreendido por um grupo de jovens, moto-taxistas de uma “placa” rival, que reconheceram, de antemão, a motorizada estacionada no quintal de Lourenço. “Perguntaram-lhe sobre quem havia lhe entregue a motorizada e meu irmão respondeu que havia sido um amigo”, disse.

Insatisfeitos com a resposta, os mesmos propuseram ao malogrado que os levasse à casa do então amigo. Postos no local, nenhum sinal do referido amigo; foi então a partir daquele momento que o grupo concluiu que não existia nenhum amigo em questão e que Lourenço Hafeni era o ladrão da motorizada. “De seguida, o amarraram e partiram para agressão com paus, pedras e blocos até à sua morte”, declarou Clóvis Domingos, amigo do malogrado, que acrescentou que nada podia fazer porque eram muitos e seria a próxima vítima caso se opusesse. 

Se a Polícia não intervir revanche pode acontecer 

O que era para ser uma manhã calma e alegre para a família, acabou por se tornar aterrorizante. Resultado da agressão, Lourenço teve lesões na cabeça, braços partidos, entretanto, não resistiu aos ferimentos e morreu no local. O corpo do infeliz foi removido do local da ocorrência pelo Serviço de Investigação Criminal de Viana e transportado para a Morgue Central de Luanda.

Sandra Morais, de 50 anos, mãe do malogrado, conta que a notícia da morte de seu filho a encontrou na província do Cunene e lamenta a forma trágica como seu quarto filho foi morto. “Meu filho foi morto como um cão baldio, ninguém merece uma morte assim”, desabafou, para depois clamar por justiça.

Segundo relato dos moradores, após o sucedido, os moto-taxistas da “placa” do Kapapinha, na primeira paragem de táxi do Zango 3, não ousam em exercer a actividade de táxi nas imediações, sob pena de serem linchados também pelos rivais da “placa” da última paragem do Zango 3, em que o malogrado fazia parte. “Não há motoqueiros na paragem, temos que caminhar muito para pegar o táxi”, disse Johnson Pascoal, morador.

De acordo com o porta-voz da Polícia Nacional, Superintendente Nestor Goubel, as diligências estão em andamento e tão logo se capture os elementos, serão presentes ao Ministério Público.

Lourenço Hafeni, proveniente da província do Cunene há alguns anos, estudante finalista do ensino médio, os seus restos mortais já repousam no cemitério municipal de Viana.

Comentários do Facebook

Leave a reply